Mineração 4.0: Segurança e Inovação na Mineração

Anti Colisão | Radar | Ultrasom | Sistemas de Advertência e Visibilidade | Indústria 4.0 | Alta Performance Profissional

Mineração 4.0: Segurança e Inovação na Mineração

É inevitável associar a Mineração 4.0 com a substituição de pessoas por processos automatizados. Mas um fato que passa desapercebido frequentemente é que as pessoas serão cada vez mais importantes: a conectividade entre PESSOAS e MÁQUINAS será a pedra angular do sucesso da Quarta Revolução Industrial.

Este artigo apresenta a Mineração 4.0 como uma aplicação dos princípios da Indústria 4.0 para o segmento de mineração e seu impacto na segurança de suas operações.

Momento Disruptivo

“Estamos a bordo de uma revolução tecnológica que transformará fundamentalmente a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Em sua escala, alcance e complexidade, a transformação será diferente de qualquer coisa que o ser humano tenha experimentado antes” ~ Klaus Schwab, autor do livro  A Quarta Revolução Industrial

O que está sendo chamado de Indústria 4.0, a Quarta Revolução Industrial, é a visão de que estamos passando novamente por um momento divisor de águas da história da humanidade. A transformação pela qual passaremos é considerada tão drástica quanto foi o advento da máquina a vapor. Naquela época, século 18, a máquina a vapor e a produção seriada foram consideradas, nas palavras de Robert E. Lucas Jr., ganhador do Prêmio Nobel:

“Pela primeira vez na história o padrão de vida das pessoas comuns começou a se submeter a um crescimento sustentado … Nada remotamente parecido com este comportamento econômico é mencionado por economistas clássicos, até mesmo como uma possibilidade teórica.”

No período entre a segunda metade do século XIX e a Segunda Guerra Mundial, houveram uma série de desenvolvimentos dentro da indústria química, elétrica, de petróleo e de aço:

  • a introdução de navios de aço movidos a vapor,
  • o desenvolvimento do avião,
  • a produção em massa de bens de consumo,
  • o enlatamento de comidas,
  • refrigeração mecânica e outras técnicas de preservação, e
  • a invenção do telefone eletromagnético.

Todos esses itens que fazem parte do nosso cotidiano hoje surgiram com a Segunda Revolução Industrial.

A chegada da eletrônica, da tecnologia da informação e das telecomunicações trouxeram a Terceira Revolução Industrial. O inesperado novamente ocorreu: a globalização porporcionada pela Internet foi muito maior do que a que veio com as grandes navegações. O comércio online trouxe uma nova forma de negociação entre os consumidores e as empresas, sem a necessidade de um vendedor para intermediar a compra. Campos como medicina, educação, artes e economia foram revolucionados.

O que mais poderia acontecer?

Desta vez, serão os robôs integrados em sistemas ciberfísicos os responsáveis por uma transformação radical. E os economistas têm um nome para isso: a quarta revolução industrial, marcada pela convergência de tecnologias digitais, físicas e biológicas. BBC

O nome Quarta Revolução Industrial ou Indústria 4.0 vem, na verdade, do projeto estratégico do governo da Alemanha, trabalhado desde 2013 para levar sua produção a uma total independência da obra humana.

Klaus Schwab pontua em seu livro uma série de inovações tecnológicas que já estão em curso:

  • inteligência artificial,
  • robótica avançada,
  • internet das coisas,
  • veículos autônomos,
  • impressão em 3D,
  • nanotecnologia,
  • biotecnologia,
  • armazenamento de energia e computação quântica

A palavra-chave nesse processo é: sistema ciberfísico. Estes sistemas combinam máquinas com sistemas digitais e são capazes de tomar decisões descentralizadas e de cooperar – entre eles e com humanos – mediante a internet das coisas.

Como esta escala 1.0 – 2.0 – 3.0 se aplica à Mineração?

A primeira inovação na mineração começou a partir da mecanização usando brocas hidráulicas e motores a vapor.

A segunda revolução começou com as linhas de produção e montagem em massa, juntamente com a eletricidade, dando aos mineiros mais acesso a mais e melhores equipamentos com a ajuda da eletricidade.

A terceira revolução começa com os computadores e a automação, dando lugar a vários processos remotos para realizar escavações perigosas e também para transportar e processar minerais.

E, e agora a mineração está então às portas da Quarta Revolução Industrial.

Mineração 4.0: O que já está sendo feito

O caso da Dundee Precious Metals é famoso no segmento de mineração.

No vídeo abaixo, Mark Gelsomini, Diretor Corporativo de TI, explica como a equipe de TI queria acessar todas as possibilidades de aumentar sua produtividade, sem trabalhadores ou veículos adicionais.

Você deve ter observado que Mark já não usa o termo IoT, internet da coisas, mas IoE, internet de tudo. O resultado: aumento de produção em 400%

Veículos Autônomos

Da série de 8 inovações tecnológicas abordadas por Klaus Schwab e que já estão em curso, talvez a mais próxima do conhecimento dos profissionais de mineração no Brasil sejam a dos veículos autônomos.

Na Austrália a mina da BHP, em Jimblebar possui caminhões autônomos transportando minério desde 2014.

Em uma declaração, a empresa citou a segurança como um dos principais impulsionadores da expansão do teste.

“O uso de caminhões de transporte autônomo tem o potencial de introduzir benefícios de segurança, removendo pessoas de ambientes potencialmente perigosos, aumentando a previsibilidade e a produtividade das operações de transporte, proporcionando novas oportunidades de emprego e treinamento para nossas pessoas e reduzindo a intensidade de trabalho das futuras operações de mineração. “

Tais argumentos de incremento de produtividade, redução de custos e segurança levaram muitos profissionais a concluir que em breve veremos muitos caminhões autônomos em nossas mineradoras.

Homem x Máquina?

Quase diariamente me reúno com profissionais de Gestão de Produção, Saúde e Segurança do Trabalho, Manutenção, Automação, T.I.; em áreas tão diversas quanto mineração, construção civil, movimentação de materiais, agricultura. E cada vez mais frequentemente percebo neles este desejo (confesso ou oculto): eliminar o fator humano na sua operação.

E o desejo é justificado, afinal historicamente, a mineração tem sido um dos ambientes de trabalho mais perigosos ao redor do mundo. O número de lesões fatais e não-fatais é especialmente alto para aqueles que ocupam posições em torno de caminhões e nos próprios caminhões.

Mas acho que muitos não percebem que estão acalentando apenas isso: um sonho. Nada factível ou recomentado a curto prazo.

Veja: atrevo-me a dizer que os fatores (leia-se: problemas) humanos que você enfrenta hoje não são estruturais, são comportamentais.

É mais fácil ELIMINAR HOJE o ser humano da equação ou corrigir aprimorar seu comportamento de forma INCREMENTAL HOJE?

Tecnologias acabam sendo abraçadas por certos profissionais com uma grande expectativa. E assim, muitas vezes se cai na tentação de adotar apressadamente uma suposta aplicação de IoT no sonho de, em curto prazo, resolver problemas operacionais que são de origem puramente comportamental.

Entretanto esta não necessita ser uma área de exclusão homem x tecnologia.

Um objeto válido para discutirmos é: como podemos aumentar a segurança de nossas operações de mineração HOJE com a capacidade de coletar dados, processá-los e atuar em tempo real antes que um risco POTENCIAL se torne um risco REAL.

E isso é imediatamente aplicável. Com custo viável e com resultados palpáveis.

Muitos são os exemplos possíveis, recentemente abordei dois deles aqui no LinkedIn:

  • A redução de carga cognitiva CARGA COGNITIVA nas cabines dos caminhões fora-de-estrada. Nesse artigo Mineração 4.0: Excesso de informação = Acidente (?!)abordo um exemplo desta relação, tomando por base o gerenciamento dos PONTOS CEGOS de um veículo.
  • Mineração 4.0 e Gerenciamento da Fadiga, pois é crescente o número de mineradoras que estão implantando seus Programas de Gerenciamento de Fadiga (PGFs) e instalando equipamentos para alerta de fadiga. Entretanto, nem todos tiram partido dos recursos 4.0 para poder tirar proveito desta iniciativa.

Muitas outras aplicações dos recursos e conceitos de Mineração 4.0 para ampliar a segurança em geral dos processos de nossas empresas são possíveis.

Compartilhe aqui os seus desafios que você está enfrentando, o que você já utilizou e deu certo (ou não).

Flávio Zanotta

===

Flávio Zanotta é Gerente Comercial da Brigade* Brasil e Membro da Plataforma Mineração 4.0 – Tema: Segurança em Veículos e Máquinas Móveis.

==

*Brigade ajuda responsáveis por frotas de MÁQUINAS de grande porte a evitar ACIDENTES, PREJUÍZOS e MORTES através do uso de tecnologias ANTICOLISÃO baseadas em VISIBILIDADE, RADAR e ULTRASOM.