Mineração 4.0: Excesso de informação = Acidente (?!)

Anti Colisão | Radar | Ultrasom | Sistemas de Advertência e Visibilidade | Indústria 4.0 | Alta Performance Profissional

Mineração 4.0: Excesso de informação = Acidente (?!)

Sim, é verdade, a falta de informação leva a acidentes mais o oposto também é verdadeiro. Quanto mais informações você disponibiliza para alguém, maior é a probabilidade desta pessoa ficar confusa, indecisa, perder-se entre os dados e tomar uma decisão errada.

Quando aplicamos isto a veículos e máquinas móveis, uma decisão errada quase sempre é igual a ACIDENTE.

Isso tem relação com TEMPO DE REAÇÃO do condutor e CARGA COGNITIVA a que ele está submetido. Nesse artigo você vê um exemplo deste processo, tomando por base o gerenciamento dos PONTOS CEGOS de um veículo.

Pontos Cegos

Uma visibilidade perfeita deveria ser obrigatória com veículos e máquinas móveis, pois a segurança no trajeto é quase que completamente dependente do motorista ter uma visão desobstruída da pista e dos perigos circundantes. Mas todos os veículos e máquinas móveis têm pontos cegos – áreas ao redor da máquinas que estão inacesssíveis à visão do motorista ou operador.

Há muito que se pode falar sobre pontos cegos, mas o ponto fundamental é que a redução de pontos cegos permite aumentar a segurança na direção do veículo. Os recursos para reduzir pontos cegos são basicamente de ampliação do campo visual seja através de espelhos ou câmeras e monitores.

Exemplo de caminhão com 5 espelhos para pontos cegos.

Neste ponto entra o contrasenso: espelhos e câmeras de visão individual ajudam a visualizar pontos cegos, mas mesmo com essa assistência extra, o operador pode ainda não visualizar imediatamente todo o entorno do veículo.

Aliás, pode-se ter todos os espelhos do mundo, mas eles não ajudarão muito, a menos que você olhe para eles regularmente para monitorar o entorno do veículo.

E mesmo assim, como só é possivel olhar ou para o trajeto, para um monitor ou para um espelho por vez, quanto mais “pedaços de informação” você fornece ao condutor, maior o TEMPO DE REAÇÃO deste.

Pesquisas demonstram que, no tempo necessário para escanear¹ quatro espelhos, avaliar e depois reajir² aos perigos, uma máquina pode andar até 10m, mesmo a velocidades tão baixas quanto 5 km/h.

Fonte: Brigade Electronics

Tempo de reação do condutor e carga cognitiva

O fator chave para evitar um acidente relacionado a pontos cegos é o Tempo de Reação do Condutor.

É prática comum para os analistas de acidentes simplesmente usar um número de tempo de reação padrão, como 1,5 segundos, ao analisar um caso. Mas o tempo de reação é um comportamento complicado e é afetado por um grande número de variáveis. Não é possível haver um único número que se aplique universalmente.

Entre estas variáveis estão:

  • Expectativa (se o estímulo de alerta é esperado, inexperado ou surpreendente),
  • Urgência (pessoas freiam mais rápido quando há grande urgência),
  • Compatibilidade Estímulo-Resposta ( Os seres humanos têm conexões altamente integradas entre percepções e respostas),
  • Período Refratário Psicológico (após uma resposta, as pessoas exibem um “período refratário psicológico” que pode afetar a próxima resposta), e
  • Carga Cognitiva.

Carga Cognitiva

Quando outras questões relativas à condução ou outras não ligadas à condução consomem a atenção do motorista, o tempo de frenagem fica mais longo. Por exemplo, em uma trajeto sinuoso, o motorista deve dedicar mais atenção para manobrar antes, durante e depois de curvas. Mas outra carga cognitiva importante é o uso de tablets, monitores, rádios de comunicação e mesmo smartphones no veículo. Não há dúvida de que todos causam atrasos nos tempos de reação, com estimativas variando de 0,3 a 1,0 segundo ou mais, dependendo das circunstâncias.

E na mineração?

No caso de um caminhão fora-de-entrada em lavra a céu aberto, temos 7 espelhos (no mínimo), 01 câmera de ré (pelo menos), sistema de despacho eletrônico, rádio de comunicação, todos os alertas do painel do veículo, e eventualmente algum smartphone que inadvertidamente (!?) pode ter sido levado para a cabine.

Mineração 4.0

A conectividade entre PESSOAS e MÁQUINAS será a pedra angular do sucesso na Quarta Revolução Industrial.

A segurança de nossas operações de mineração pode ser ampliada HOJE mesmo com a capacidade de coletar dados, processá-lo e atuar em tempo real antes que um risco POTENCIAL se torne um risco REAL.

Muitos são os exemplos disponíveis. Especificamente em minha área, segurança em máquinas móveis, aplico regularmente a sistemas de visibilidade que concentram em uma só interface a informação visual de toda a periferia de um veículo de grande porte como caminhão fora-de-estrada.

Para fornecer ao operador uma visão surround completa do veículo em tempo real, quatro câmeras ultra-grande angular que cobrem uma lateral inteira do veículo com um ângulo de visão superior a 180 °. Montadas na frente, na retaguarda e nos lados, as câmeras são calibrada para capturar toda a área circundante, incluindo os pontos cegos da máquina ou veículo.

As quatro imagens ao vivo são enviadas simultaneamente para uma unidade de controle eletrônico (ECU) onde elas são processadas instantaneamente, combinadas e unificadas.

Com este recurso reduz-se a carga cognitiva do condutor ao apresentar em uma só interface a imagem que geralmente é obtida através de 5 ou 6 interfaces diferentes (espelhos + monitores).

Muitas outras aplicações do conceito de redução de carga cognitiva em cabine de condução são possíveis atualmente com os recursos de Mineração 4.0.

Compartilhe aqui os seus desafios que você está enfrentando, o que você já utilizou e deu certo (ou não).

Flávio Zanotta